ArabicChinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Por que São Josafá é padroeiro do Ecumenismo?

São Josafá Kuncewicz

No dia 12 de novembro a Igreja Católica celebra a memória de São Josafá Kuncewicz, bispo e mártir, considerado padroeiro do Ecumenismo. Por que a Igreja de Cristo lhe deu este título e quem foi São Josafá?

Comecemos pela sua história

A Rússia foi evangelizada pelos cristãos bizantinos pouco antes do cisma do século XI e seguiu a Igreja grega na separação de Roma, aceitando-lhe a dependência até 1589, quando se tornou autônoma com a elevação do metropolita de Moscou à dignidade de patriarca. Neste mesmo período a Rutênia havia passado do domínio russo ao polonês. Os sacerdotes ortodoxos, entrando em comunhão com Roma, puderam manter os autênticos ritos e as tradições da Igreja eslava. Nesse clima ecumênico, que fazia pressagiar a composição do cisma do Oriente, nascia em 1580, de nobre família ortodoxa separada, João Kuncewycz, o futuro apóstolo da unidade dos cristãos do Oriente.

Desde jovem João manifestou vocação religiosa. Por isso, dedicou-se ao estudo da filosofia e da teologia. Ao completar vinte anos, ingressou na Ordem de São Basílio e tornou-se monge. Ao emitir seus votos, adotou o nome de Josafá. Apesar da pouca idade, destacou-se pelo comprometimento, espírito de oração, sabedoria e caridade para com todos.

Em pouco tempo, foi nomeado superior do mosteiro. Logo depois, foi nomeado arquimandrita, título que equivaleria a “monsenhor”, da cidade histórica de Polotsk, na Rússia. Depois disso, tendo somente trinta e sete anos, foi nomeado arcebispado de Polotsk, tendo aceitado a contragosto.

Os escritores são unânimes em narrar que a brilhante carreira de São Josafá Kuncewicz era totalmente justificável por causa dos dotes intelectuais e espirituais do santo. Além disso, sua vida era um exemplo de virtudes, de prática da caridade e de obediência total à disciplina da vida monástica.

Josafá Kuncewicz e um grande grupo de religiosos orientais,  membros da igreja separada e cismática da Rússia, converteram-se à Igreja Católica Apostólica Romana. Eles reconheceram que a Igreja Católica era a verdadeira Igreja fundada por Jesus Cristo. Eles decidiram conservar a liturgia oriental criada por São João Crisóstomo e passaram a ser conhecidos como Uniatas.

Josafá defendia com muita coragem a autoridade do papa como o verdadeiro representante de Cristo e o sucessor de Pedro na terra. Ele também lutou pelo fim do cisma, isto é, da divisão, procurando com a união com a sede de Roma. Pregava, ensinava e fazia de tudo para seguir os ensinamentos e a doutrina de Jesus Cristo estando em uma só Igreja, sob a verdadeira autoridade de um único pastor.

A pregação de Josafá a favor do Papa e da unidade da Igreja desagradou sobremaneira aos cismáticos. Estes passaram a considerá-lo  um renegado e mau exemplo de patriota. Por causa disso, São Josafa afirmou várias vezes: “Vereis que ainda me vão matar”. Deixou seu rebanho avisado de que isso aconteceria. Porém, não tinha medo e nem por um momento deixou de lutar.

Numa de suas visitas pastorais a uma paróquia sob seu governo, sua casa foi atacada. Muitos que o acompanhavam foram massacrados. Josafá, então, apresentou-se corajosamente diante dos inimigos e perguntou-lhes: “Porque vocês matam meus familiares se querem matar a mim?” Então, sem piedade, a multidão de cismáticos o espancou e o torturou. Depois, decidiram matá-lo e jogar seu corpo num rio. Era o dia 12 de novembro de 1623. Esses fatos aconteceram em Vitebsk, na Bielorússia. O corpo de Josafá foi recuperado milagrosamente mais tarde e passou a ser venerado pelos católicos. Mais tarde, os assassinos do santo foram presos, passaram por um julgamento e foram condenados. Depois de certo tempo, arrependidos, converteram-se. A canonização de São Josafa Kuncewicz foi celebrada pelo Papa Pio IX, em 1876.

Padroeiro do Ecumenismo

Com zelo apostólico e luta heroica, São Josafá, como bispo, foi um grande defensor da Igreja de Roma, promovendo a união entre cristãos, buscando banir a chaga do cisma em toda a região sob sua gestão (Ucrânia, Lituânia e Polônia). Foi martirizado por incomodar o clero cismático da sua época, defendendo o Corpo de Cristo como sinal de unidade.

O mundo de hoje precisa reencontrar o caminho da unidade na diversidade. O Ecumenismo, movimento religioso que pretende a união dos cristãos ao redor de uma mesma postura religiosa, precisa encontrar apoio de todos os grupos que têm em Jesus a grande referência da vida. Que São Josafá, padroeiro do Ecumenismo, ajude-nos nesta tarefa.

Oração a São Josafa Kuncewicz

“Suscitai, ó Deus, na vossa Igreja o Espírito que impeliu o bispo São Josafá a dar a vida por suas ovelhas e concedei que, por sua intercessão, fortificados pelo mesmo Espírito, estejamos prontos a dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém. São Josafá Kuncewicz, rogai por nós.”

Share on facebook
Facebook
Share on google
Google+
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn
Share on pinterest
Pinterest