ArabicChinese (Simplified)DutchEnglishFrenchGermanItalianPortugueseRussianSpanish

Comunidade Coração Novo e Missão Somos Um chegam à Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda acolhidos pela liderança católica e evangélica da região

Na última terça-feira, 12 de Abril, representantes da Comunidade Coração Novo e da Missão Somos Um foram acolhidos pela Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda pelo Exmo. Sr. Bispo Dom Luiz Henrique da Silva Brito. A reunião pautou-se em apresentar o trabalho realizado pelo grupo e na entrega da carta de autorização para o início das atividades no território diocesano.

Ao entregar o documento oficial de acolhimento, o Epíscopo expressou sua alegria em receber as entidades em sua Diocese.

Em suas palavras, Dom Luiz Henrique disse ser grato pela oportunidade e o encontro. “Minha gratidão à Comunidade Coração Novo e à missão ‘Somos um’ por essa iniciativa de colaborar para organizar esse encontro. Esperamos que isso envolva toda a realidade da Diocese, nos doze municípios. Vamos construir juntos essa caminhada de Unidade Cristã”, finalizou.

Em sua fala, Izaías Carneiro agradeceu o acolhimento às Comunidade Coração Novo e Missão Somos Um pelo bispo diocesano e pela Igreja local dizendo que: “O importante acolhimento de Dom Luiz Henrique e da Igreja particular de Barra do Piraí e Volta Redonda ocorre em um momento histórico em que são celebrados os 50 anos de criação da Comissão Internacional de Diálogo Católico Pentecostal e, sobretudo, porque esta reunião acontece no início da Semana Santa, quando a Igreja é convidada a retornar ao calvário e lembrar as Palavras de Jesus: “quando eu for erguido da terra, atrairei todos a mim” Jo. 12,32”.

Além da presença de Dom Luiz Henrique da Silva Brito – bispo diocesano de Barra do Piraí e Volta Redonda, o encontro contou as presenças de Pe. Rafael Ferreira (chanceler da Cúria); o Pe. Alércio Aparecido de Carvalho – vigario geral e procurador da Cúria Diocesana; Izaías de Souza Carneiro – fundador/moderador geral da Associação Pública de Fiéis Coração Novo / co-presidente da Missão Somos Um; Pra. Monica  Floriano – presidente do Ministério Restaurando Vidas no  Jacarezinho/RJ e representante da Presidência da MSU para os irmãos evangélicos; Ana Lúcia Bittencourt – secretária vocacional e representante do Conselho Geral da Comunidade Coração Novo; Dr. Eduardo Linhares – liderança leiga da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda com atuação no Diálogo Ecumênico e interlocutor da MSU na região; Daroyo Aphren Fernando – sacerdote da Igreja Siríaca Ortodoxa de Antioquia em Volta Redonda; Pr.  Adilson Paulo de Oliveira – presidente da Comunidade Batista Jeová Rafha de Volta Redonda; Pr. Léo Matusa – presidente do Conselho de Pastores de Barra Mansa e presidente da Igreja Nova Mananciais de BM; Pr. Gilmar Torres – capelão militar e pastor da Igreja Metodista Wesleyana do Aterrado VR; Sr. Daniel Correia do Carmo – fundador do Coletivo Social Wave; Fernando Mário Medeiros – vice-presidente do Lar da Sabedoria e Fraternidade Ligia de Moraes Sampaio; Pastor João Sabino Filho – Igreja Manancial Jesus de Águas Vivas; Elisete Félix – coordenadora do Grupo de Oração Sopro Divino da Igreja Siríaca Ortodoxa; Charlles de Souza Silva, da Igreja Quadrangular de Quatis RJ.

Veja também esta notícia no site oficial da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda.

A Missão Somos Um se prepara para a V Conferência Internacional de Louvor e Adoração Somos Um que acontecerá no Rio de Janeiro entre os dias 19 e 25 de Setembro e as inscrições em breve poderão ser feitas neste site.

Esta notícia teve participação especial da Assessoria de Comunicação da Diocese de Barra do Piraí e Volta Redonda que também assina o texto acima.

Dia 7 de fevereiro, católicos e evangélicos reuniram-se na praça Porto Rocha no município de Cabo Frio, RJ, para participarem de um grupo de intercessão pelos trabalhos realizados em prol da unidade dos cristãos e por todos os membros da Igreja de Cristo que buscam viver a santidade nos dias de hoje. Este grupo acontece toda primeira segunda feira do mês e já se tornou tradicional na cidade.

Durante o encontro foi realizado um momento de louvor e adoração, seguido da ministração da Palavra pela irmã Andrea, da igreja Metodista. A passagem escolhida para a reflexão foi o capítulo 12 da Primeira Carta do Apóstolo Paulo aos Coríntios (1Cor 12) – “A respeito dos dons espirituais, não quero, irmãos, que sejais ignorantes…” (v.1).

Estiveram presentes, pastor Antônio, da Igreja Caminho de Santidade, pastor Jorge, da Igreja Ministério Ágape, irmão Paulo, fundador do movimento e presidente do GARD – Grupo de Avivamento Rio de Deus, membro da igreja Metodista, pastor Marcos, da igreja Metodista e Alexandre, da Igreja Católica, membro da Missão Somos Um.

Ao final, o irmão Paulo fez o convite para o primeiro Café Espiritual que acontecerá no próximo dia 12, sábado, às 8:30, na Casa Dois Corações, localizada na Rua dos Coqueiros, lote 24, Praia do Foguete, Cabo Frio, RJ.

Na noite de 3 de janeiro de 2022, a Comissão Interreligiosa de Diálogo e Paz do Rio de Janeiro reuniu-se no Palácio São Joaquim, residência oficial do Sr. Cardeal Dom Orani João Tempesta, Arcebispo da Cidade Maravilhosa, para um jantar de confraternização e alinhamento da visão sobre o diálogo interreligioso no estado do Rio de Janeiro, sendo também tratadas questões pertinentes a políticas públicas para manter e favorecer o respeito à liberdade de culto.

A Missão Somos Um se fez presente pelos seus representantes Izaías de Souza Carneiro e Pastor Edvaldo Nascimento, juntamente com suas esposas. Estiveram também presentes vários outros representantes de Igrejas e Matrizes Religiosas (veja lista abaixo).

Da esquerda para direita, Pe. Fabio Luiz, coordenador da Comissão Arquidiocesana de Diálogo Ecumênico Interreligioso; Pr. Edvaldo Nascimento, copresidente da Missão Somos Um e membro da Nova Igreja – Barra da Tijuca- RJ, e sua esposa, Sra. Heloisa Nascimento; Dr. Gilberto Garcia e esposa Sra. Soraya Garcia, membros da Igreja Batista; Sra. Mônica de Oya (Umbanda); Pai Marcio de Jagun (Candomblé); Sra. Luzia Lacerda, jornalista e diretora do Instituto Expo Religião; Dr. Paulo Maltz, diretor de Relações Interreligiosas da Federação Israelita do Rio de Janeiro; Dom Orani João Tempesta, Arcebispo do Rio de Janeiro; Mãe Nilce (Candomblé); Mãe Meninazinha de Oxum (Candomblé); Dom Roque Costa Souza, bispo auxiliar da Arquidiocese do Rio de Janeiro e referencial do Diálogo Ecumênico e Interreligioso; Diácono Nelson Águia, secretário da Comissão Arquidiocesana para o Diálogo Ecumênico e Interreligioso; Pr. Silas Esteves, fundador e presidente do Ministério Bethesda e membro da Missão Somos Um; Pr. Ayo Balogun, pastor da Igreja Evangélica A Voz de Deus; Padre Vitor Pereira, membro da Igreja Católica de rito Greco-Melquita; Sr. Izaías Carneiro, fundador da Comunidade Coração Novo e copresidente da Missão Somos Um; sua esposa, Sra. Patrícia Gonçalves; e Sra. Angela Amorim, secretária geral da Comissão Interreligiosa de Diálogo e Paz e da Missão Somos Um.
Pastores Edvaldo Nascimento, Ayo Balogun e Silas Esteves ao lado do Cardeal Arcebispo Dom Orani João Tempesta e de Izaías de Souza Carneiro, fundador da Comunidade Coração Novo e presidente da Missão Somos Um
Pastor Ayo Balogun, Izaías Carneiro, Mãe Nilce e Mãe Meninazinha, Patrícia Gonçalves, Angela Amorim, Pastor Edvaldo Nascimento e sua esposa Heloisa Nascimento
Diácono Nelson Águia discursa no Jantar de Confraternização
Diácono Nelson Águia discursando para os presentes durante o jantar de confraternização
Jantar de Confraternização

No dia 12 de novembro a Igreja Católica celebra a memória de São Josafá Kuncewicz, bispo e mártir, considerado padroeiro do Ecumenismo. Por que a Igreja de Cristo lhe deu este título e quem foi São Josafá?

Comecemos pela sua história

A Rússia foi evangelizada pelos cristãos bizantinos pouco antes do cisma do século XI e seguiu a Igreja grega na separação de Roma, aceitando-lhe a dependência até 1589, quando se tornou autônoma com a elevação do metropolita de Moscou à dignidade de patriarca. Neste mesmo período a Rutênia havia passado do domínio russo ao polonês. Os sacerdotes ortodoxos, entrando em comunhão com Roma, puderam manter os autênticos ritos e as tradições da Igreja eslava. Nesse clima ecumênico, que fazia pressagiar a composição do cisma do Oriente, nascia em 1580, de nobre família ortodoxa separada, João Kuncewycz, o futuro apóstolo da unidade dos cristãos do Oriente.

Desde jovem João manifestou vocação religiosa. Por isso, dedicou-se ao estudo da filosofia e da teologia. Ao completar vinte anos, ingressou na Ordem de São Basílio e tornou-se monge. Ao emitir seus votos, adotou o nome de Josafá. Apesar da pouca idade, destacou-se pelo comprometimento, espírito de oração, sabedoria e caridade para com todos.

Em pouco tempo, foi nomeado superior do mosteiro. Logo depois, foi nomeado arquimandrita, título que equivaleria a “monsenhor”, da cidade histórica de Polotsk, na Rússia. Depois disso, tendo somente trinta e sete anos, foi nomeado arcebispado de Polotsk, tendo aceitado a contragosto.

Os escritores são unânimes em narrar que a brilhante carreira de São Josafá Kuncewicz era totalmente justificável por causa dos dotes intelectuais e espirituais do santo. Além disso, sua vida era um exemplo de virtudes, de prática da caridade e de obediência total à disciplina da vida monástica.

Josafá Kuncewicz e um grande grupo de religiosos orientais,  membros da igreja separada e cismática da Rússia, converteram-se à Igreja Católica Apostólica Romana. Eles reconheceram que a Igreja Católica era a verdadeira Igreja fundada por Jesus Cristo. Eles decidiram conservar a liturgia oriental criada por São João Crisóstomo e passaram a ser conhecidos como Uniatas.

Josafá defendia com muita coragem a autoridade do papa como o verdadeiro representante de Cristo e o sucessor de Pedro na terra. Ele também lutou pelo fim do cisma, isto é, da divisão, procurando com a união com a sede de Roma. Pregava, ensinava e fazia de tudo para seguir os ensinamentos e a doutrina de Jesus Cristo estando em uma só Igreja, sob a verdadeira autoridade de um único pastor.

A pregação de Josafá a favor do Papa e da unidade da Igreja desagradou sobremaneira aos cismáticos. Estes passaram a considerá-lo  um renegado e mau exemplo de patriota. Por causa disso, São Josafa afirmou várias vezes: “Vereis que ainda me vão matar”. Deixou seu rebanho avisado de que isso aconteceria. Porém, não tinha medo e nem por um momento deixou de lutar.

Numa de suas visitas pastorais a uma paróquia sob seu governo, sua casa foi atacada. Muitos que o acompanhavam foram massacrados. Josafá, então, apresentou-se corajosamente diante dos inimigos e perguntou-lhes: “Porque vocês matam meus familiares se querem matar a mim?” Então, sem piedade, a multidão de cismáticos o espancou e o torturou. Depois, decidiram matá-lo e jogar seu corpo num rio. Era o dia 12 de novembro de 1623. Esses fatos aconteceram em Vitebsk, na Bielorússia. O corpo de Josafá foi recuperado milagrosamente mais tarde e passou a ser venerado pelos católicos. Mais tarde, os assassinos do santo foram presos, passaram por um julgamento e foram condenados. Depois de certo tempo, arrependidos, converteram-se. A canonização de São Josafa Kuncewicz foi celebrada pelo Papa Pio IX, em 1876.

Padroeiro do Ecumenismo

Com zelo apostólico e luta heroica, São Josafá, como bispo, foi um grande defensor da Igreja de Roma, promovendo a união entre cristãos, buscando banir a chaga do cisma em toda a região sob sua gestão (Ucrânia, Lituânia e Polônia). Foi martirizado por incomodar o clero cismático da sua época, defendendo o Corpo de Cristo como sinal de unidade.

O mundo de hoje precisa reencontrar o caminho da unidade na diversidade. O Ecumenismo, movimento religioso que pretende a união dos cristãos ao redor de uma mesma postura religiosa, precisa encontrar apoio de todos os grupos que têm em Jesus a grande referência da vida. Que São Josafá, padroeiro do Ecumenismo, ajude-nos nesta tarefa.

Oração a São Josafa Kuncewicz

“Suscitai, ó Deus, na vossa Igreja o Espírito que impeliu o bispo São Josafá a dar a vida por suas ovelhas e concedei que, por sua intercessão, fortificados pelo mesmo Espírito, estejamos prontos a dar a nossa vida pelos nossos irmãos. Por nosso Senhor Jesus Cristo, vosso Filho, na unidade do Espírito Santo. Amém. São Josafá Kuncewicz, rogai por nós.”

O Papa Francisco recebeu no Vaticano nesta segunda-feira (25/outubro) uma peregrinação ecumênica vinda da Alemanha “Com Lutero ao Papa”. Na ocasião convidou todos a se unirem para escutar a melodia de Deus, que o Senhor compôs dentro da vida de cada um. Também desejou a disponibilidade de escuta para a Igreja afirmando: “Estamos reaprendendo a escuta no processo sinodal”.

Em seguida disse aos presentes:

Queridos amigos, escutem também a melodia de Deus em suas vidas; a melodia que o Senhor compôs dentro de suas vidas. Abram não somente seus ouvidos, mas também seus corações. Quem canta de coração aberto, talvez sem se dar conta, já toca o mistério de Deus. Este mistério é o amor, o amor que em Jesus Cristo encontra seu som esplêndido, pleno e único“.

E concluiu o encontro desejando: “Ouçam sempre a melodia de Deus em suas vidas. Porque um canto é formado por muitas vozes. E o mesmo acontece com o ecumenismo, na Alemanha e em muitas outras partes do mundo”.

Obtenha mais informações clicando aqui.

Em abril deste ano, celebrando a Paixão do Senhor, o Cardeal Frei Raniero Cantalamessa, pregador da Casa Pontifícia, proclamou a homilia em missa presidida pelo Papa Francisco, no Vaticano, e trouxe-nos a reflexão sobre a principal dificuldade que causa divisões entre católicos. Veja a seguir alguns trechos desta pregação.

“Qual é a causa mais comum das divisões entre os católicos? Não é o dogma, não são os sacramentos e os ministérios: coisas estas que, por singular graça de Deus, mantemos íntegras e unânimes. É a opção política, quando ela se sobrepõe àquela religiosa e eclesial e desposa uma ideologia, esquecendo completamente o sentido e o dever da obediência na Igreja” […]

“A fraternidade católica está dilacerada! A túnica de Cristo foi cortada em pedaços pelas divisões entre as Igrejas; mas – o que não é menos grave – cada pedaço da túnica, por sua vez, é frequentemente dividido em outros pedaços. Naturalmente, falo do elemento humano dela, porque a verdadeira túnica de Cristo, seu corpo místico animado pelo Espírito Santo, ninguém jamais poderá dilacerar. Aos olhos de Deus, a Igreja é “una, santa, católica e apostólica”, e assim permanecerá até o fim do mundo. Isto, contudo, não desculpa as nossas divisões, mas as torna ainda mais culpáveis e deve nos impulsionar, com mais força, a restaurá-las”. […]

“É isto, em certas partes do mundo, o verdadeiro fator de divisão, ainda que tácito ou indignadamente. Isto é um pecado, no sentido mais estrito do termo. Significa que o “o reino deste mundo” se tornou mais importante, no próprio coração, do que o Reino de Deus. Creio que sejamos todos chamados a fazer um sério exame de consciência sobre isso e a nos convertermos. Esta é, por excelência, a obra daquele cujo nome é “diábolos”, isto é, o divisor, o inimigo que semeia o joio, como o define Jesus em sua parábola (cf. Mt 13,25)”. […]

“Se há um dom ou carisma próprio que a Igreja Católica deve cultivar em benefício de todas as Igrejas, este é a unidade.” […]

Veja mais sobre o assunto, clicando aqui.

(*) Foto em destaque: Vatican News

Em 15 de setembro deste ano, no Rio de Janeiro, foi formalizada uma Declaração Conjunta em favor da liberdade religiosa no Brasil. Após este importante ato, o passo seguinte foi a formação de um grupo de comunhão de líderes, que tem como proposta reuniões mensais para promover reflexões sobre a unidade cristã, tema tão necessário e, ao mesmo tempo, difícil e até polêmico nos corredores das Igrejas.

Nesta última terça-feira, 12 de outubro, ocorreu o primeiro encontro online desse grupo de comunhão com a participação de quatorze lideranças cristãs com ministérios espalhados pelo Brasil e também com trabalhos internacionais.

Estiveram presentes Sr. Izaías Carneiro, fundador da Comunidade Coração Novo e presidente da Missão Somos Um; Pr. Asaph Borba, ministro de música e líder de louvor; Pr. Silas Esteves, fundador e pastor Ministério Bethesda; Pr. Edvaldo Nascimento, membro da Nova Igreja, na Barra da Tijuca/RJ e vice-presidente da Missão Somos Um; Bispo Francisco Ferreira, Igreja Sara Nossa Terra; Pr. Valmilton Dantes, do Ministério Restauração e Vida; Pr. Luiz Guatura, da Igreja Evangélica Assembleia de Deus, Ministério Madureira; Pe. Marco Tulio, pároco da Paróquia São Vicente de Paulo, no Engenho da Rainha; Pr. Carlus Marcelus, Ministério Empreendedor Cristão – MEC; Pr. Jacó Tavares, da Save Church; Sr. Pedro Menezes e sua esposa a Sra. Nathalia Menezes, do Ministério Restauração e Vida; Sra. Ângela Amorim, secretária geral da Comunidade Coração Novo e da Missão Somos Um; Sra. Elena Arreguy, membro da Comunidade Católica Shalom e secretária internacional da Missão Somos Um; e, por fim, Sra. Eloina Montalvão, secretária executiva da Comunidade Coração Novo.

O encontro teve seu início com a ministração de cânticos feita pelo pastor Asaph Borba, seguida de uma reflexão sugerida pelo bispo Francisco Ferreira em torno do tema “misericórdia”. A partir daí cada participante fez uma breve reflexão culminando com uma oração. O encontro se encerrou com a oração ministrada pelo irmão Pedro Menezes.

21 de outubro – Dia do Ecumenismo (Unidade do Corpo de Cristo)

O Dia do Ecumenismo é comemorado anualmente em 21 de outubro, no Brasil.

Esta data celebra o ato ecumênico que, de acordo com a definição eclesiástica do termo, consiste na busca da unificação entre as diferentes vertentes do cristianismo – católica, protestante e pentecostal.

O Ecumenismo também é reconhecido como um momento de confraternização e desejo de paz na humanidade, abrangendo todos os campos do conhecimento, com harmonia e respeito.

Atualmente, vários estados brasileiros celebram o ato ecumênico no dia 21 de outubro, como: Rio de Janeiro, São Paulo, Espírito Santo, Santa Catarina, Paraná e Mato Grosso.

Em outros estados brasileiros, como no Pará e no Amazonas, o Dia do Ecumenismo é celebrado em 23 de setembro.

Dia do Ecumenismo - Unidade do Corpo de Cristo

O Grupo de Comunhão da Missão Somos Um do Engenho da Rainha, tradicional bairro do subúrbio carioca, esteve reunido na noite desta quinta-feira, 07/10/21, na Igreja Assembleia de Deus – Ministério Madureira – para a 3ª edição do Jantar de Comunhão. O Pr. Wellington de Carvalho, Presidente da Congregação deu as boas vindas aos visitantes e convocou a equipe de louvor para ministrar a adoração.

Estiveram presentes no evento o Pr. Marcelo Menezes (Igreja Cristã Amor de Cristo), o Pr. Brito Júnior (IEAD-Madureira), o Pr. Leandro Barcellos (Ministério Novo Amanhecer do Rio de Janeiro – MINARJ), Pe. Marco Túlio (Pároco da Paróquia São Vicente de Paulo), Izaías Carneiro (Presidente da Conferência Missão Somos Um) e Jorge Amancio (Líder do Grupo de Comunhão local).

Durante a programação, Izaías Carneiro teve a oportunidade de compartilhar a visão da unidade assumida pelos irmãos e irmãs conectados na MSU, e estender o convite para a participação da liderança.

Após um tempo de partilha e aprofundamento da visão da unidade, os irmãos foram convidados para o jantar preparado pelas irmãs da congregação.

Na manhã de 4 de outubro (segunda-feira), o Bispo Abner Ferreira, líder das Assembleias de Deus – Ministério Madureira, e um dos líderes que motivam Missão Somos Um, esteve presente no Vaticano onde participou do evento “Faith and Science: Towards COP26”, na sala das bênçãos, no Estado do Vaticano.

O encontro tem como foco um apelo aos participantes da COP 26, a conferência climática anual da ONU, programada para se realizar em Glasgow, Escócia, de 31 de outubro a 12 de novembro.

O evento contou com a participação de diversos líderes mundiais, autoridades, eminências, ministros de estados e cientistas, dentre eles, sua Santidade, o Papa Francisco.

Bispo Abner levou uma palavra representando, a Convenção Nacional Das Assembleias de Deus do ministério de Madureira, na pessoa do seu Presidente Vitalício Bispo Primaz Manoel Ferreira, e do Presidente Executivo Bispo Samuel Ferreira.

Ele ressaltou aos presentes que: “A principal tarefa da Igreja é anunciar as Boas Novas de salvação em Cristo Jesus, mas isso não a isenta de preocupar-se com a questão ecológica. Foi Deus quem responsabilizou o homem sobre esta tarefa, “Tomou, pois, o Senhor Deus o homem, e o pôs no jardim do Éden para o lavrar e guardar” (Gênesis 2:15).

O cristão não deve violar os mandamentos de Deus quanto à preservação das espécies por causa do progresso.

A preservação do meio ambiente não é responsabilidade apenas dos governantes.

O zelo pelo local onde vivemos é tarefa de cada um de nós, pois é, antes de tudo, nossa casa, nosso patrimônio, nosso bem maior, nossa herança.

O que podemos fazer para reduzir a poluição e os impactos ambientais?

A preservação do meio ambiente está intrinsecamente ligada ao que o homem é, ao que ele tem e ao que pode deixar de legado para as futuras gerações.

O cuidado com o planeta pode ser feito tanto no âmbito da coletividade quanto da individualidade.

Hábitos simples podem gerar enormes mudanças.

Uma mente renovada e sadia pensa com qualidade acerca do ambiente em que vive, em total harmonia com a natureza. “Do SENHOR é a terra e a sua plenitude, o mundo e aqueles que nele habitam.

Porque ele a fundou sobre os mares, e a firmou sobre os rios” (Salmos 24:1-2).”

Ministério de Madureira
Unidade, Hierarquia e Disciplina.

Veja abaixo alguns registros fotográficos do evento.

O Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos é o Dicastério do Vaticano responsável pelas relações estabelecidas pela Igreja Católica com as demais Igrejas Cristãs. No mês de
junho de 2019 – durante o evento que marcou o início dos trabalhos do CHARIS (novo Serviço Internacional para a Renovação Carismática Católica), no Vaticano II – o Sr. Izaías de Souza Carneiro (Presidente da Conferência Internacional Somos Um) reuniu-se com Sua Eminência Cardeal Kurt Koch (Presidente do referido Pontifício Conselho) e com Mons. Juan Usma Gómez (Responsável pelas relações pentecostais do mesmo Pontifício Conselho) para lhes apresentar a proposta da Missão e da Conferência Internacional Somos Um.

Mediante esse contato e oficialização do convite ao Pontifício Conselho realizado por Sua Eminência Cardeal Dom Orani João Tempesta (Arcebispo do Rio de Janeiro), o Cardeal Kurt Koch enviará à III Conferência Internacional Somos Um como seu Delegado o Mons. Juan Usma Gómez.

Mons. Usma participará de todos os momentos da Conferência, desde o Encontro para Líderes Internacionais até a grande Conferência. Trata-se de uma significativa presença considerando que o
Vaticano deseja acompanhar as iniciativas ecumênicas ao redor do mundo, especialmente a partir do Diálogo Católico-Pentecostal, cuja Comissão Internacional se reúne desde 1972 e que atualmente tem como um de seus membros o Dr. Pe. Marcial Maçaneiro, Assessor Teológico da Missão Somos Um.

Durante a Conferência, Mons. Usma proferirá uma palavra aos participantes a partir desse contexto bem como do pontificado do Papa Francisco.